PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA

Bem Vindo à PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA
Boa tarde, Domingo, 22 de Outubro de 2017

PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA
VOCÊ ESTÁ EM: HOME / PASTORAL DA MÚSICA /

Pastoral da Música

“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todos os moradores da terra. Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome anunciai de dia em dia a sua salvação.” (Sl96, 1-2)

 

Desde o antigo testamento, a música sempre esteve presente na história do Cristianismo principalmente na forma de salmos. Lembrando apenas que o grande salmista que se teve foi o grande rei Davi, cujo quais seus salmos foram incluídos na bíblia sagrada e são entoados até hoje.
Com o passar do tempo, conforme os estilos musicais foram se aperfeiçoando, a música-sacra também foi tomando outra forma. Hoje por exemplo o canto gregoriano, ícone do Cristianismo não é mais tão comum em nossa Igreja, rara é aquela que permanece com esse tipo de música-sacra.
Podemos observar que por várias vezes durante o ano as músicas que cantamos nas missas ou em outras celebrações se alternam isso se dá pelo fato da música-sacra estar em perfeita sintonia com o tempo litúrgico, ou seja, todas as vezes que se muda o tempo litúrgico, também muda as músicas que cantamos. Vejamos:

 

Advento: Como esse tempo litúrgico significa espera, tanto que os paramentos da Igreja são de cor roxa, os cantos são mais de reflexão e a Igreja pede que durante esse tempo não haja muitos instrumentos, principalmente bateria e o Hino de Louvor é omitido.

 

Natal: Tempo de perfeita alegria, pois o Menino Deus nasceu e esta no meio de nós, os cantos são mais alegres principalmente o Hino de Louvor.
Entretanto, no tempo do natal há alguns momentos onde são alterados os cantos, como no dia da Sagrada Família (domingo após o natal) e Solenidade Maria Mãe de Deus (01/01).

 

Comum: É um tempo de estudo, aprendizado, de ouvir o Cristo que nos ensina durante os 33 ou 34 domingos que correspondem há este tempo.
Os cantos do tempo comum são divididos ou mês, ou seja, no mês de Agosto são utilizados cantos propícios ao mês vocacional, assim como Outubro são propícios ao mês das missões e assim por diante.
Lembrando que há várias festas e solenidades durante o tempo comum que obedecem a mesma regra explicada no tempo no natal, ou seja, altera-se os cantos para haja uma maior sintonia com o dia que se esta celebrando.


Quaresma: Tempo de profunda oração e penitencia. As músicas são propicias para uma auto-analise e conversão para que possamos vivenciar com maior intensidade o tempo da Páscoa. Por esse motivo que os paramentos da Igreja são roxos, se omite o Glória (Hino de Louvor), não cantamos aleluia nas músicas e se retira a bateria e demais instrumentos que causam muito barulho.

 

Semana Santa: Geralmente cada dia da semana-santa é marcado com um tipo de música que corresponda ao que estamos celebrando.

 

Pascal: Tempo de alegria, pois o Cristo venceu triunfante a morte. Volta-se a cantar o aleluia e a entoar o Hino de Louvor, sem contar que se utiliza novamente todos os instrumentos de antes.
Durante o tempo pascal há a Solenidade da Ascensão do Senhor e a Festa de Pentecostes. Dias marcados com cantos próprios.
Cada equipe tem sua própria característica, mas todas buscam o mesmo objetivo que é respeitar o tempo litúrgico do qual vivemos e ajudar o povo a elevarem suas orações ao céus através daquilo que se canta.

 

“A música litúrgica será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver unida à ação litúrgica” (SC 112)


A música é parte integrante da liturgia e não apenas enfeite. A música será litúrgica quando nela a Igreja reconhecer sua oração, quando aparece para acompanhar os textos a serem cantados. Ela possui as mesmas marcas da própria liturgia, participa de sua finalidade “que é a glória de Deus e a santificação dos fiéis”.
A Igreja Católica acredita que o aspecto musical das celebrações deve respeitar normas e responsabilidades, sendo tudo isso conseqüência da formação litúrgica adequada. De acordo com o Quirógrafo (documento escrito pelo Papa João Paulo II em 2003), “a música deve estar plenamente incorporada à ação ritual, relevando e introduzindo os fiéis no âmago do mistério celebrado”. A música então, se tornou uma forma de preparar e encaminhar a comunidade para o momento da celebração.


Veja Também


curso-de-musica-online.jpg